óperap

Ópera Rap Global

O espetáculo ‘Ópera Rap Global’, com roteiro de Renan Inquérito, adaptado do livro “Ópera Rap” do sociólogo português Boaventura de Sousa Santos mescla o popular e o erudito com orquestra, Djs, MCs, dançarinos e poesia.

No palco, a montagem une a linguagem urbana e leva a rua par ao teatro, em uma mescla de música erudita e hip-hop. O show já foi exibido no Rio de Janeiro (RJ),  em Novo Hamburgo (RS) e em Porto Alegre (RS).

A ‘Ópera Rap Global’ provoca mundos distanciados e ousa no campo artístico, o que contribui  para o processo de valorização dos atores locais e da cultura urbana por meio de elementos do hip-hop.

Para Renan Inquérito, o que representa a obra é o personagem Queni N.S.L. Oeste que por si, representa “um grito contra todos os outros gritos que até agora deram em nada”. “Ele representa os palestinos na faixa de gaza, os camponeses expulsos do campo, os imigrantes ilegais em busca de uma vida melhor em algum país do primeiro mundo. O Queni representa negros, mulheres e todos aqueles que de alguma forma são oprimidos pelo sistema vigente”, destacou o roteirista.

A referência e o nome do personagem vem da admiração do sociólogo português ao rapper norte americano Kaeny West, que nas palavras dele é “um excelente rapper, letrista, bem contundente. Ele é meu favorito há muito tempo, por isso o nome do personagem. É como uma homenagem a ele. O hip-hop hoje é também uma forma de acesso aos jovens da universidade”, pontuou.